22 de agosto de 2016

Entrevista Com Keoma (Not the Cowboy)

Pra quem não conhece, Keoma é o um dos melhores jogadores de Street Fighter do mundo e do Brasil, participou e venceu de vários eventos e suas melhores participações foram na Capcom Cup de 2015 e na BGS 2015 vencendo Haitani, um dos cinco lendários deuses japoneses do Street Fighter e sua incrível Makoto.


 

1 – Como foi o seu começo na cena competitiva? Como foi chegar até aqui e ser reconhecido mundialmente à ponto do Daigo citar você na EVO 2016.

Keoma: Meu começo no cenário competitivo foi com Street Fighter IV em 2009, justamente por SF4 ser um jogo novo na época e eu não ter uma grande desvantagem em relação aos jogadores próximos de mim. Eu realmente me esforcei bastante e levei a sério conforme entrei em mais competições. Daigo sempre foi motivo de grande inspiração para mim, ter o reconhecimento dele como jogador é fantástico, e me motiva para seguir em frente sem me questionar.

2 – Existe muita polêmica sobre qual dos Street Fighter’s é melhor, o 4 ou 5, qual a sua sincera opinião sobre isso?

Keoma: Street Fighter V. O sistema de jogo está melhor e o jogo finalmente está tomando forma como produto e serviço. Acredito que na próxima temporada fique ainda melhor.
3 – A sua participação nos últimos torneios do USF4 foram incríveis, como foi pra lidar com as matchups ruins do Abel? Qual o método de treino?

Keoma: Meu método de treino sempre foi em cima de vídeos próprios e de outros jogadores dos quais eu possa entender a linha de raciocínio, independente do matchup. Para campeonatos como Dreamhack Winter e Capcom Cup pude contar com jogadores fortes que inclusive me eliminaram em campeonatos anteriores, como MBR, que contribuiu muito para que eu melhorasse meu jogo contra Akuma.

4 – Agora em SFV, a mudança de estilo de personagem foi muito forte, de Abel pra Karin foi uma mudança muito brusca, eu deduzo. Como foi pra se adaptar a essa velocidade de personagem?

Keoma: Este vem sendo um grande desafio para mim. Eu nunca fui bom com personagens que andam muito rápido, e a Karin exige uma dedicação muito maior no jogo neutro do que qualquer personagem que já tenha utilizado por ter pouco life e não ter um antiaéreo 100% confiável sem EX, porém acredito que o investimento a longo prazo em um personagem como ela é a decisão correta por me ajudar a ter uma percepção maior do jogo.

5 – SFV permitiu um acesso maior aos jogadores, a EVO já mostrou esse sinal saltando de 2 mil pra 5 mil inscritos em Street Fighter, você acredita que no Brasil esse sinal já é significativo também?

Keoma: Na verdade não, mas não posso dizer com 100% de certeza. O cenário competitivo em si parece um pouco mais frio do que em anos anteriores, e apontar uma causa específica parece difícil.

6 – Se fosse escolher o melhor jogo de luta feito até hoje, qual seria? E por que?

Keoma: Capcom vs. SNK 2, por todos os elementos, personagens e mecânicas diferentes que ele apresenta em um jogo só. Temos mais de 50 personagens e cada um deles tem ao menos seis maneiras diferentes de jogar em sua essência (sem contar EX Grooves). A composição do jogo em si é muito boa, a apresentação é excelente e a trilha sonora encaixa com os elementos do jogo com perfeição.

7 – No seu blog, você citou a importância de um rival, quem foi seu maior rival em USF4 e qual é o atual no SFV?

Keoma: Sempre considerei um rival qualquer jogador com grandes chances de me vencer, ou seja, alguém que me faça sentir a necessidade de me tornar mais forte para ser capaz de vencer com consistência, independente do jogo. 

8 – Em SFV o nível de execução facilitou e o de footsie aumentou por conta do Crush Counter, você acha que isso somado ao acesso facilitado à maiores jogadores vai aumentar ou diminuir o abismo de casuais e veteranos?

Keoma: Não acredito que a dificuldade de execução vá necessariamente diminuir a distância entre os iniciantes e os veteranos, pois no fim das contas o grande diferencial entre os dois níveis é a mentalidade no jogo.

9 – Em USF4 você era dos melhores jogadores de Abel do mundo e dos melhores no geral aqui no Brasil. Mas e no SFV, como você enxerga seu desempenho até agora? 

Keoma: Neste momento temos seis meses de Street Fighter V. Todos os jogadores voltaram ao ponto inicial, parecido com o que aconteceu em 2009 com SFIV. De fevereiro pra cá eu dei um salto gigantesco em termos de habilidade e conhecimento. É estúpido pensar que eu começaria no topo de um jogo baseado no meu desempenho no final do ciclo de vida de outro, e apesar de almejar o topo eu não tenho pressa. Se meu treino for bom o bastante sei que posso alcançar este objetivo em breve, então até agora estou bastante satisfeito com a minha evolução já que ela vem sendo constante.

10 – Como jogador de nível Silver, ainda almejo a chegada do Gold, tenho evoluído a passos curtos, qual a dica que poderia dar pra quem assim como eu tende a evoluir mais lentamente na busca pelo mais forte?         

Keoma: Boa parte do processo de aprendizado e evolução é simplesmente tentativa e erro: Parar para observar o que vem dando errado em uma partida pode ser o bastante para levar um jogador à decisão certa.


Keoma, muitíssimo obrigado pela entrevista e como seu fã torcerei fervorosamente por você nos próximos torneios e obrigado por doar parte do seu tempo pra esse humilde e pequeno blog.

Nós vamos ao encontro do mais forte e dessa vez com um brasileiro representando com força total ^^

26 de julho de 2016

Top 5 - Melhores Jogos do Batman

Batman... O que seria de nós seres vivos sem inspirações marcantes de heróis como o Batman.

Afinal de contas, heróis como o Batman temos....

...

...

tipo....

...nenhum?


Verdade seja dita, Batman tem um carisma maior que o nível de retardamento do Coringa e suas histórias e personagens crescem em termos de qualidade mais rápido que a inflação do nosso país.

Como assim você não é fã do Batman? Como assim ele não é seu favorito? Já procurou um médico?

Eu hein... Vamos logo começar essa coisa antes que eu vá aí te dar umas palmadas. E tomara que você mude de ideia no final do post, senão teremos um problema.


5° Lugar - Batman: The Game (NES)

Eis um jogo que em tempos remotos transmitia bem o nosso morcego favorito, Batman era simplesmente o foda, intocável, sinistro, armado até os dentes com seus apetrechos super legais e não matava seus inimigos.

Tanto é que no final, você vence o Coringa e...


Eita porra, o Batman dessa época ainda não era totalmente o Batman que conhecemos, nesse universo antigo o Coringa matou os pais de Bruce, que no final se vinga mandando o palhaço dançar uma valsa no inferno de mãos dadas com o Diabo.

Oloko! Eu não esperava por isso, confesso. Coisas de filmes antigos... Mas ainda um puta jogo, retratando em tempos antigos o jeito Batman nas fases, coisa que muitos jogos posteriores falharam miseravelmente.


4° Lugar - Batman: Rise of Sin Tzu (PS2/Xbox)


Tudo corria bem em Gotham quando de repente...

... O MACACO LOCO!

Ops.

Quando de repente no aniversário da morte dos pais de Bruce Wayne surge um cara do nada conhecido como Sin Tzu aliado de Cara de Barro, Espantalho e Bane.

O jogo se trata de um Beat'em Up em 3D do qual muitas coisas inclusive combos são desbloqueáveis com o passar do jogo. E o maldito ainda tem uma precisão de encaixar os combos bem digno de um jogo de luta.

Eu até poderia colocar o Returns do Super Nintendo, ele é um jogo muito bom mas esse aqui tem Batman, Batgirl, Robin (Tim Drake) e Asa Noturna (Dick Grayson) e difícil por difícil vai esse aqui mesmo.

O gráfico é meio feio mas as representações marciais dos personagens estão muito mas muito boas mesmo, e acabaram por me ganhar por completo.

Pena que não consigo finalizar esse game, a dificuldade é totalmente absurda.


3° Lugar - Batman: The Brave and the Bold (Wii/DS)



Quem diria, esse desenho horrorosamente horroroso baseado na era de prata teria um bom jogo.

Na verdade, não é nem um jogo e sim dois bons jogos.

A era de prata é uma época onde os heróis tinham que ser infantilizados, havia muita censura e isso acabou ferrando boa parte da imagem dos heróis intocáveis e eles tiveram de sofrer mudanças, Batman, Superman e demais outros heróis tiveram histórias que beiram o abismo do ridículo e o medonho e essa época deu origem à MUITAS coisas bizarras mesmo.

O desenho retrata justamente disso, é meio que uma homenagem à esse período que não sei porque mas foi importante.

São dois jogos distintos com abordagens diferentes, o do Wii chega a ser meio cansativo a longo prazo, porém o foco do jogo nem é ser o beat'em up desafiador nem nada e sim no humor, cenas e mais cenas com diversas situações te matarão de rir, Batman é elevado ao extremo do absurdo em toda fodeza gerando milhões de piadas e situações engraçadas!

Mas o de DS apesar de não tão engraçado, acaba por ser um jogo melhor já que sua versão de Wii praticamente não tem desafio, o de DS é um jogo extremamente gostoso de jogar com milhões de coisas pra serem pegas ao decorrer e é tão divertido que simplesmente não tenho coragem de deixar ele fora da lista. Sem contar nas demais participações de seus amigos que vão de personagens como besouro azul até alguns ofensivamente idiotas como Aquaman e Guy Gardner. Mas não se pode ganhar todas, certo?

Ao menos dá pra rir muito. E não dá pra conter o riso quando Batman diz:

"Hammers of Justice. Justice prevails"


2° Lugar - Adventures of Batman and Robin (Super Nintendo)


Esse é um jogo que eu demorei anos pra conhecer, pra ter contato definitivo e sinceramente, não entendo como tem gente que prefere a versão do Mega Drive.

Que por sinal é um excelente jogo também mas é um jogo com mais inimigos na tela que um Dynasty Warriors e isso por si só é um absurdo.

A versão do Super Nintendo retrata bem melhor o Batman do Animated Series, mesmo que eu concorde com alguns que dizem que falta um elemento de beat'em up aqui e ali na hora dos combos, que são muito mornos, secos. É um soco ou dois e o inimigo cai no chão. Mas as batalhas de chefes são ridiculamente difíceis, mais do que as próprias fases do jogo já são.

Mas o que me surpreende, é que assim como o Brave and the Bold, cada fase parece um episódio do desenho, só que como Animated Series é um desenho muito melhor que o já citado acima da era de prata, então acaba sendo melhor o aspecto da narrativa.

Que por sinal era bem presente nesse jogo, nada de graça, personagens aparecem da maneira mais legal possível, há muita investigação em lugares como o museu, fases diferentes e com base em uso de itens certos como a da Era Venenosa e etc.

Sem falar, que ele também por muito tempo foi o único jogo que passava o clima investigativo que só Gotham pode oferecer, com músicas que lembram o desenho de forma bem clara apesar do chip de 16 bits do Super Nintendo. É um jogo que só peca pela dificuldade totalmente fora de controle de tão alta, porque ele representa o Batman de forma muito crível.


1° Lugar - Trilogia Arkham (Não, O Origins Defintivamente Não)


Seguinte, não vou botar o Origins porque não admito um jogo totalmente bugado como ele independente de ser bom ou ruim enquanto os dois primeiros são absurdamente bem feitos e totalmente polidos sem NENHUM bug bizarro ou que comprometa a jogatina.

Arkham Asylum retrata de uma forma muito inteligente o Batman sendo pego numa situação de surpresa enquanto havia prendido Coringa, mostra claramente as coisas apertando pouco a pouco e ele suando pra resolver, se machucando e tendo sua roupa rasgada com o passar do jogo, pegando os bat-acessórios só enquanto necessário justamente porque ele ia se virando conforme as coisas iam acontecendo.

Em termos de "clima" ou "tom", o Asylum se mostra mais interessante que o City, mas ainda assim City merece ser citado por ser praticamente um sandbox do Batman, uma cidade inteira tomada pelo caos dos bandidos mais perigosos de Gotham, uma narrativa melhor, um gameplay aprimorado, músicas inspiradas e uma variedade gigante de gameplay e inimigos presentes em side quests.


Mas uma coisa que os dois são incríveis é em suas batalhas de chefes.

Cada chefe exige um tipo de luta, um tipo de coisa diferente que mostra Batman se virando e mostrando o quão foda pode ser.

Depois de tudo isso, veio Arkham Knight, que até então é o que eu mais curti em termos narrativos, uma ótima trama ainda que tenham elementos previsíveis e um puta gameplay foda, vários personagens jogáveis e desafios mega divertidos sem exagerar na quantidade igual Arkham City.

E ironicamente, a melhor parte do City é a pior parte do Knight, que são os chefes. Com uma ou outra exceção mas no geral são bem inferiores.

Esses três jogos relatam PERFEITAMENTE como o Batman é nos quadrinhos e principalmente na série the Animated Series, mas não se engane, a série "Arkham" é uma série isolada, tem seus próprios elementos e suas próprias características visuais mesmo que haja total fidelidade em alguns casos aos quadrinhos ou a série animada.




Mas também, os dois primeiros foram escritos pelo Paul Dini, lendário roteirista do The Animated Series, que conseguiu de forma brilhante criar uma nova ideia, um novo universo só que voltado pros games, mudando o que precisa e sem perder a essência de tudo que o Batman tinha. Felizmente, antes dos New 52. Porque ninguém merece.

São jogos que vão além de mostrar o personagem porque você pode muito bem se sentir o personagem. Batman já merecia um jogo desse tipo há gerações e a Rocksteady só atendeu pedidos mostrando uma verdadeira experiência de como SER o morcego.

E não, o Origins não merece estar aqui, porque além dos bugs, os roteiristas (que nem quero saber quem são) colocaram um Batman que "luta pelos amigos" e não pela sua amargura, mostrando um conceito tão genérico e batido que poderia pertencer justamente à quem? Novos 52.

Se bem que podia ser o DC Rebirth.

Meu deus, chega de falar dessas merdas.

E só pra plantar a sementinha do mal, Batman vs Superman é um filme do caralho. E tenho dito.

21 de julho de 2016

E o Tal Story Mode do SFV, Como Tá?

Bom, Street Fighter V saiu, e a polêmica saiu junto com ele. Um online que teve problema nas primeiras 24 horas e que até hoje vimos pessoas relatarem isso de forma totalmente maldosa e mentirosa, afinal de contas, se eu com 1 mega de internet consigo jogar as vezes é sinal que funcionar, funciona.

Mas enfim, eu já falei bagarai do SFV como jogo então hora de falar do tal Cinematic Story Mode.

Pra começo de conversa, esperamos quase 6 meses pra isso, então merece uma meia dúzia de comentários. Eu acho! Mas vamo que vamo!

O Story era uma coisa super rápida e esse Cinematic serve de complemento, nele aprendemos tudo que rolou depois do SFIV mesmo que de forma super vaga e vimos o futuro pelo qual lutamos. E essa referência é só pros fortes.


Seguinte, depois dos eventos do SFIV, onde Seth tenta provar que é alguém mas na verdade é mais ninguém que Arya Stark, ele simplesmente some do mapa e Bison impera novamente como vilão-mor da série, espalhando o caos por aí de levinho até que de repente, durante uma visita de Ryu ao Dhalsim, a primeira Lua Negra surge no céu.

As luas negras nada mais são que 7 "satélites" feitos por hackers e nisso eles vão escurecer tudo, deixando o povo em caos pela falta de iluminação e com isso as forças da Shadaloo andariam pelas ruas assegurando que o terror aumentaria a cada segundo e nisso teríamos alimento suficiente pro Psycho Power do Bison deixá-lo mais gordo que os bolsos dos nossos políticos em plena Lava-Jato.

Com isso uma garotinha hacker espalha 6 peças que lembram parte de um jogo de xadrez pra vários lutadores do mundo e vários grupos vão atrás dessas peças pra impedir os planos de Bison. Porque motivos.

De um lado, temos Karin, Ken, Chun-Li, Guile sendo dirigidos na velocidade da luz por aviões da família Kanzuki no melhor estilo Bruce Wayne em termos de financiamento e temos também outros grupos como o de Helen, que a mando de Urien que reúne Juri, Rashid, Nash, Cammy e temos também o lado de Bison com Balrog, Fang, Vega e seus capachos na garantia de que tudo correrá bem, no meio do caminho vimos Laura, Birdie, Dhalsim e outros que vão se aliando a seus lados que acreditam e assim vai desenrolando os sub-plots de vários personagens.


Ironicamente, pra minha maior surpresa, jogamos mais com Karin a maior parte do tempo, e o mesmo vale pra Rashid que é bem centralizado na trama. E jogamos praticamente nada com Ken ou Ryu, os personagens mais manjados pra esse tipo de coisa, principalmente quando se trata de Street Fighter.

Lembrando que afirmo isso com base no fato que SFIII não teria nenhum personagem antigo e mesmo tendo poucos ainda deu toda aquela polêmica da "falta de clássicos". Então a Capcom aprendeu a lição e fez o V com poucos novatos, alguns clássicos obscuros voltando ainda que de forma bizarra tipo Birdie e durante o Story Mode botou os principais pra escanteio.

Chun-Li, muito me surpreendeu estar sendo retratada como uma afobada, que sai correndo pra cima de Bison sem pensar duas vezes, uma vez que em Alpha 3 ela se aliou a Guile e tudo pra resolver o problema e que problema, ela deveria NO MÍNIMO averiguar a situação antes de sair feito uma louca.


Mas, pra compensar isso, FANG pra quem não sabe, é o substituo de Sagat, e por consequência, o segundo em comando da Shadaloo, ele é o segundo mais forte de bem longe pelo jeito, tanto que Balrog e Vega não o temem, mas evitam se for necessário. Parece que andar com veneno nas mãos é algo que em SF faz muita vantagem, mas na moral, não precisava de um personagem TÃO tosco quanto ele. Ele é incômodo visualmente, falando, movimentando e etc, o fato dele existir é um problema. Mas por sorte, o gameplay dele é excelente. Acho que só isso o salva mesmo.


No mais, a história progride mais ou menos da forma que todos imaginaríamos, exceto o fato de controlarmos raramente Ken e Ryu, o que é um alívio. Mesmo pra mim que gosto deles. Dar espaço pra outros personagens é um dom de poucos, não é mesmo Tekken? Não é mesmo KOF? Não adianta ter 40 mil personagens se só meia dúzia deles tem um merecido destaque.

Mas ai que tá, vamos falar francamente, você que como eu é fã da franquia e entende ela, sabe como ela sempre funcionou e tudo mais, dificilmente vai ficar decepcionado porque é mais ou menos o que estamos acostumados porém com um formato cinemático, acredito que seja a única real diferença. Pros desavisados que esperavam muito mesmo por isso como um modo com enredo profundo e tudo mais, acho que vocês não jogaram Street Fighter, porque sempre foi bem isso aí.

No fim de tudo, dá pra ver que poderia ser melhor, o potencial tá ali, mas não usaram direito, se situaram na zona de conforto com coisas que já esperávamos e fan service, com isso resultou num Story Mode legal e tudo mas não houve nada que fosse um passo pra frente, uma mudança de paradigma ou uma ideia nova plantada pra futuros jogos.



Ou seja, não fede e nem cheira, é legal e tudo mas não faz aqueeeela diferença. Tal como qualquer narrativa da franquia, exceto Alpha 3.