12 de agosto de 2011

Jojo's Bizarre: Heritage For The Future


Mais cedo ou mais tarde eu iria falar desse jogo. Então, por que não hoje ?

Aproveitando a minha falta de idéias mais interessantes pra postar no blog, então logo escolhi um jogo que me diverte muito pra falar nesse instante.

E é Jojo's Bizarre: Heritage For The Future, um jogo bem interessante e irei mostrar os pontos que me fazem pensar dessa forma. Ok ?

Primeiro de tudo, o jogo é feito pela Capcom, e tudo que é feito por ela geralmente me faz ir no jogo mesmo que por curiosidade, se for jogos de luta, ae que irei com certeza.

Afinal de contas um jogo de luta feito pela empresta que criou Street Fighter certamente merece o mínimo de atenção e de interesse de qualquer jogador de jogos de luta, desde os casuais (meu caso) até os profissionais.

Então, irei agora demonstrar a parte técnica da coisa.

O jogo é montado em cima da placa CPS3, e por isso somente o emulador da Capcom (que tem o nome da placa) será possível de rodar esse jogo (em consoles só existem versões pra Playstation e DreamCast), mas não se assuste, apesar de ter o gráfico 2D lindo, ele não precisa de placa de vídeo ou coisa do tipo. Sem esquecer de mencionar que esse é o segundo e último jogo da série feita pela Capcom, e esses são de luta, enquanto os outros são dos mais variados gêneros, mas eles não me interessam. E sim, o primeiro jogo é só o protótipo e a versão "Heritage For The Future" é nada além de uma atualização com golpes e personagens a mais. O que nos leva a crer que o que a Capcom faz com Street Fighter IV e Marvel vs Capcom 3 é coisa antiga, já feita com o jogo aqui citado e com Street Fighter III.


Outro fator é a jogabilidade, que é fabulosa, os comandos são super macios e respondeu muito rápido e de forma muito precisa. Algo semelhante a Darkstalkers ou o já dito acima Street Fighter. Ou seja, excelente.
Sem contar que a jogabilidade é algo que digamos que a Capcom aproveitou recentemente. Quem jogou Marvel vs Capcom 3 deve ter notado que só existem 3 botões em comando: fraco, médio e forte. E essa é a mesmíssima jogabilidade do Jojo's Bizarre, porém, no MVC3 existe a imbecilidade do botão de Launch enquanto em Jojo's Bizarre você precisa do quarto botão somente pra usar os Stand. Lembrando que cada Stand funciona de forma diferente, uns usados pra bater, outros pra turbinar golpes e por ae vai, cada um tem sua utilidade, mas claramente alguns se repetem na forma de usar, porém nada irritante.

Mas com certeza deve estar se perguntando algo como:

"Que porra é essa de Stand ?"

E eu já ia chegar lá, abaixa essa foice ae meu amigo...

Acontece que pra entender isso seria necessário o fator da história do jogo, e eu dessa vez resolvi falar dela mais abaixo, por que...

...por que eu quis, ora pombas.


Mas enfim, primeiro detalhe importante, Jojo's Bizarre pra quem não sabe é uma história de mangá, e esse jogo retrata a terceira parte da série (chamada de Stardust Crusaders) e apesar do OVA lançado o jogo é baseado na história do mangá.

A história começa quando o principal, Jotaro Kujo desenvolve poderes sobrenatureis especiais, chamados de Stand (chegando a se trancar achando que estava possuído por um demônio), e logo em seguida aprende com seu avô Joseph Joestar sua importância, linhagem sanguínea e o fato de Stand serem seres que são despertados através da sua personalidade e pela energia vital (mais ou menos como Personas da série Persona) e sobre inimigo ancestral da família, Dio Brando, logo em seguida, Jotaro vai em busca de Dio pra derrota-lo e salvar sua mãe, que é ameaçada de morte pelo fato de não ser capaz de controlar o próprio Stand.

O jogo tem até recepcionista pra você.

Bom, Stand é simplesmente isso, apesar do começo tímido, a história não é tão chamativa logo de impacto mas porém no modo Story, cada personagem tem seu desenrolar e cada inimigo faz parte de sua tragetória e não é nada aleatório com um ou dois rivais com história como Street Fighter. Absolutamente tudo faz parte do caminho de cada personagem e todos tem diálogos antes e depois da luta, isso ajuda muito.

Além da jogabilidade, gráfico, personagens malucos e bizarros (o nome não ta ali atoa mesmo), esse fator me impulsionou a jogar, pelo menos com meus favoritos ou mais interessantes. Eu realmente tinha interesse de ver o que ia acontecer com ele e tudo mais.

E é bem interessante, eu garanto.

Acho que já falei todos os fatores legais desse jogo, mas antes de tudo, não esperem uma mega franquia super fodona, é simplesmente um jogo muito divertido com jogabilidade diferente e interessante, com muitas coisas improváveis e nem por isso menos divertido.

Antes que eu me esqueça, os especiais sempre mostram o rosto do personagem e derrotar o oponente com um desses mostra a imagem do rosto dele se ferrando legal, como a imagem abaixo mostra direitinho.


Enjoy!

5 comentários:

Anônimo disse...

This sounds like a very interesting fighting game....never seen anything like it LOL. Thanks for sharing!

Scariel disse...

Mais um jogo ótimo da Capcom. A Capcom já atualiza jogo sem parar desde o SF2, e o Jojo não é exclusivo dos Arcades.

juninho-ad disse...

O triste é que só a primeira versão do jogo que tinha metade dos personagens foi pro PS1 e a versão definitiva somente pro DreamCast, e nada de PS2, ou qualquer outra plataforma viva ou acessível.

Realmente triste, por que Jojo's Bizarre é um dos melhores fighting games que já joguei =/

Bia Chun-li disse...

Nossa. Lembro do game, mas infelizmente joguei pouquíssimo. Ótimo artigo! ^^

Flip Oil Fuckin' Now disse...

joguei isso somente uma vez na minha vida, isso quando eu ainda tinha um PS1 e meu amigo trouxe isso ai pra gente jogar auhaha, bonzinho o jogo xD